Jesus no Getsêmani (Mateus 26.36-50)

Seguiu Jesus e seus discípulos enfim,
Rumo a um lindo e belo jardim,
Getsêmani era chamado, lugar maravilhoso e muito encantado.
Poço de ternura, lugar de amargura.

Sabia do acontecimento, mais cedo ou mais tarde
Em um determinado momento Ele seria traído,
Judas, o seu apóstolo eficaz
Iria ser usado por Satanás.

Jesus para mais adiante seguiu,
Mas aos discípulos advertiu: “Aguardai aqui um momento,
Vigiem comigo, fiquem atentos, vou ali distante para orar
E quero ver todos acordados daqui uma hora quando eu retornar”.

E levando consigo a Pedro, Tiago e João,
Sentiu que a angústia tomara conta do seu coração.
E prostrado em terra com toda submissão,
Ergueu a voz ao céu e começou sua oração.

“Pai, nas tuas mãos estou eu aqui, sei que digno não sou de pedir,
Porém este cálice está muito pesado, peço-te que de mim ele seja afastado.,
Porém deixo em tuas mãos para que assim aconteça,
Que não seja a minha decisão, mas a tua vontade é que prevaleça”.

Tamanha era a sua agonia, que quanto mais intensamente Ele orava,
Gotas de sangue do seu corpo Ele suava.
Gotas de amor e paixão, gotas que trazem o alívio, a paz e o perdão,
Que tira os pecados da gente
E joga a culpa nos ombros de um inocente.

Tamanha era sua agonia, tamanho era seu sofrimento.
Que somente Ele sabia quanto era doloroso passar por esse tormento.
Poderia ter desistido, mas foi até o fim.
Suportou tudo calado por amor a você e a também a mim.

Depois de tudo isso Ele estava vindo,
Chegando perto achou seus discípulos dormindo
E a eles foi falando: “nem por uma hora vocês conseguem ficar acordados
E comigo vigiar sem ao sono se entregar?”.
Digo a todos vocês, Pedro, Tiago e João:
“Vigiai para não entrares em tentação, parem por um momento
E deem lugar ao Espírito que está sempre atento,
Mas a carne é fraca e seu desejo é profano
E quem faz a sua vontade cai em ruína e engano”.

Ainda Ele falava quando uma multidão se aproximava
E Judas que com Jesus sempre seguia vinha à frente
E aos soldados dizia abertamente:
“Aquele a quem eu beijar, esse é o Cristo que vocês irão prender”.

Aproximou-se dele e o saudou: “Salve, mestre”, em seguida o beijou,
Com um beijo foi traído, com um beijo foi entregue ao inimigo.
Judas o traiu e 30 moedas de prata ele recebeu pela negociação,
Esse foi o valor paga a ele por essa grande traição.

Poema escrito pelo nosso irmão Joacir de Lima.

Deixe uma resposta